• Branca Ícone LinkedIn
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Pinterest Icon

Conheça também nossas redes sociais:

(19) 98110-9622

tendere@tendere.com.br

Sobre Desenvolver Produtos de Moda

Atualizado: 3 de Ago de 2018

Por Letícia Galatti – Designer e Desenvolvedora de Produto da Tendere Estúdio


Já divulgamos os serviços oferecidos pela Tendere Estúdio aqui no blog. Basicamente, nós criamos e desenvolvemos produtos para marcas de moda de todos os segmentos e estilos, e de acordo com a necessidade de cada uma.


A Moda não é um segmento criativo qualquer e tem suas peculiaridades, mas não deixa de ser um business, por isso fatores como posicionamento de mercado, timing de produto e a compreensão do universo do cliente são determinantes para o sucesso e a qualidade percebida de uma marca de moda.


A cada coleção ou lançamento, um novo ciclo do produto começa e para garantir a qualidade e eficiência existem alguns processos básicos, que precisam estar bem claros tanto para pequenas empresas que concentram funções, como para grandes empresas que distribuem as funções entre um grande número de funcionários e terceirizados.

A terceirização do processo de desenvolvimento de produto pode ser um facilitador para as pequenas que trabalham com uma equipe mínima e entre as empresas maiores, que cada vez mais buscam enxugar o seu próprio chão de fábrica e acabam contratando terceiras com mais know how em algumas especificidades.


Já falamos no post anterior sobre a etapa da criação, que é quando a coleção começa a ser concebida, o processo seguinte é o de desenvolvimento dos produtos, o momento de materializar a criação através da modelagem; pilotagem; prova de piloto e alterações de modelagem; aprovação da piloto.



Depois da Criação, o Desenvolvimento do Produto é crucial para a peça não só existir, mas ao mesmo tempo ser viável (em termos econômicos) para a marca de moda e desejável (para o consumo) pelas segmentações com as quais as marcas lidam.

O processo da roupa até chegar nas araras das lojas não é nada simples, algumas empresas são mais ou menos criteriosas no processo de desenvolvimento, isso pode variar de acordo com o posicionamento da marca e do que ela quer oferecer ao cliente.


Você deve estar perguntando: E como a Tendere Estúdio faz? Bem, após a etapa de criação, o desenvolvedor dá início à escolha final de materiais – pois são esses que vão ser levados em contato na hora da modelagem. E parte para o processo de modelagem. Durante o processo de modelagem é preciso ter bem claro quem vai vestir a roupa que está sendo moldada, que tipo de caimento precisa ter e em qual tecido vai ser montada. Por isso o mercado tem dificuldade de manter um padrão de tamanhos, primeiro porque o tecido altera muito o formato do manequim e segundo porque algumas marcas apostam em modelagens maiores para seus clientes, por isso o 42 de uma marca X pode ser diferente do 42 de uma marca Y.


É justamente no processo de modelagem que a cadeia produtiva da moda conta com mais desenvolvimento tecnológico. A modelagem, por exemplo, pode ser feito desde maneira artesanal e tradicional, como na moulage, ou diretamente e softwares, passando pela a modelagem industrial, montada no papel com régua, lápis e tesoura. A etapa da modelagem e qual técnica será usada, tem relação direta com o tamanho da empresa, o posicionamento dela e o tipo de produto que ela deseja entregar ao seu cliente. Todas as técnicas são boas e válidas, elas só são diferentes entre si e geram resultados também distintos.


Com a modelagem pronta, é preciso fazer um protótipo para testar. Na moda chamamos o protótipo de peça-piloto. Para garantir a qualidade, ela pode ser feita mais de uma vez, para que a modelagem esteja perfeita e para não ter problemas na produção. É o momento também de escolher os acabamentos e os aviamentos que vão compor o conjunto. O ideal é que a piloto seja montada no mesmo tecido que será usado posteriormente na produção, pois a alteração de cores, estampa e fornecedor pode modificar o caimento da peça de forma indesejada.

A prova da piloto precisa ser feita em um corpo compatível com a realidade do consumidor alvo, modelos de prova tamanho 36 podem não representar a realidade e também interferir no resultado esperado. Mais de uma prova, após alterações, podem ser necessárias, e isso é preciso estar no calendário. Quando a peça piloto estiver de acordo com as especificações e o resultado for satisfatório, ela pode ser aprovada e lacrada, a partir daí se inicia o terceiro processo, que é o da produção em sí. Na Tendere Estúdio a entrega final é: ficha técnica, modelagem e peça-piloto.

Vale lembrar que há muitos softwares disponíveis no mercado, eles são usados em diversos momentos da produção, por exmeplo, na graduação de tamanhos (primeira etapa do processo de produção) e para o encaixe do enfesto.


Quer fazer o desenvolvimento de sua peça ou coleção conosco? Entre em contato: estudio.desenvolvimento@tendere.com.br

4 visualizações