• Branca Ícone LinkedIn
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Pinterest Icon

Conheça também nossas redes sociais:

(19) 98110-9622

tendere@tendere.com.br

Tendências que afetam o consumo em 2020

Patricia Sant'Anna


Para entender (e saber aplicar para o seu negócio) as tendências de comportamento de consumo para 2020, é preciso olhar com atenção o cenário macro. Quais tendências podem afetar o consumo, e como?


Fique atenta(o) para os seguintes pontos:


CO-TUDO – abundância.

Colaborar e compartilhar é o presente e futuro de várias áreas, em especial, design e serviços. Só para se ter uma ideia, enquanto a rede de hotéis Hilton vale US$ 19 bilhões, o Airbnb (que não possui nenhum imóvel) vale US$ 30 bilhões. Um em cada três turistas do mundo preferem ficar em casas/apartamentos a hotéis. A experiência local é mais valorizada do que o luxo tradicional. (Fontes: Tendere, Sebrae, MinTur)


A experiência local é mais valorizada do que o luxo tradicional.

Porém, isso tudo só é possível porque existem muitas pessoas que possuem mais de uma propriedade habitacional. A abundância permite compartilhar (veja também nosso texto sobre a sharing economy - link). Por isso, a escassez e a cultura do “tirar proveito”, bem como a competitividade de um capitalismo ainda jovem pode minar, no Brasil, uma prática bacana em que a ideia de propriedade é transformada e o desperdício, evitado.


Qual tipo de colaboração ou compartilhamento sua empresa pode fazer? O que você tem em abundância a ponto de poder compartilhar para não desperdiçar?


Menos (ou menor) é melhor.

Morar sozinho, famílias pequenas e novos arranjos de vida adulta (moradias colaborativas), somados a uma perda do poder de consumo e aliados a um senso de educação financeira (que vem crescendo a cada geração), fazem com que os produtos não só passem a ser oferecidos em pequenas “porções”, mas também em embalagens que só funcionem para 1, 2, no máximo 3 pessoas. E para uso imediato.


Exemplos são desde apartamentos ou carros de tamanho diminuto até embalagens de produtos alimentícios e de beleza com pouca quantidade. A ideia é o consumidor comprar só o que precisa. Essa postura tem claras relações com o Consumo Consciente.


Tamanho diminuto, menores embalagens, pequenas porções.

Nossa relação com a internet: em constante mudança.

Nenhuma das necessidades humanas básicas e desejos foram criados pela era digital. Mas as tecnologias digitais permitiram as pessoas perceberem de outra maneira suas necessidades e saná-las de formas novas. O mundo online conecta-nos à família, aos amigos, aos conhecidos e aos clientes por meio das mais variadas mídias sociais. E essas nos invadem a todo momento. A era digital também nos mergulha em um cenário de acesso, em tempo real, a informações hiperlocais e globais. Como se comporta a sua presença digital?


Se sua empresa entender o que é básico, as necessidades e desejos que são centrais para sua empresa e o cenário em que ela ativa conexões, ela irá fazer uso de seu aparato digital com propósito e sucesso. O que o seu cliente quer quando te procura na internet, você sabe responder? Ele busca status social? Segurança no produto? Senso de comunidade? Escolha mais conveniente e fácil? Ele busca por informações confiáveis? Esta lista continua... Temos que saber com certeza qual é a busca do nosso cliente para nos posicionarmos corretamente.


Focar em resultados, não ferramentas e tecnologias: estas são apenas meios para se conversar e se conectar com o seu cliente. Rapidez? Não! O mote é constante transformação. Qualquer pessoa que tenha participado de uma conferência de tecnologia na última década terá ouvido o clichê de que: “hoje você está vivendo a mais lenta taxa de mudança que você experimentará para o resto da sua vida”. É um clichê, mas também é uma verdade.


Rapidez? Não! O mote é constante transformação.

Porém, antes de embarcar em um projeto caro de transformação digital, pergunte a si mesmo (e à sua equipe): “nós sabemos porque nós estamos transformando nossa presença?”, ou “nossos clientes iriam querer essa transformação?”. Note que não está em jogo se sua empresa não vai se atualizar, tampouco se está planejando transformações necessárias. Mas sim ter consciência, pesando prós e contras sobre as transformações digitais que funcionam ou não em sua empresa.


Este conteúdo foi explorado no 14o Seminário de Tendências - outono-inverno 2020, realizado em outubro de 2018.