Tagged literatura

Quem disse que moda e literatura não conversam? + lista de obras essenciais para você ler

Por Patricia Sant’Anna

 

moda-literatura

 

Dizem muito que brasileiro não gosta de ler. Mas conheço muita gente que gosta. Uma vez dando aula, perguntei em sala de aula se os alunos gostavam de ler, e minha surpresa ao ver menos de um terço da sala de aula levantar a mão foi inconteste. Afinal, não estava em um curso de exatas, mas de comunicação… sim, isso mesmo.

Um professor faz essa pergunta em uma sala deste tipo apenas retoricamente, para ‘puxar papo’ com os alunos no começo do semestre… bem, com o resultado fiquei chocada, desestimulada e, de certa forma, com pena destes alunos, afinal, só eles tinham a perder com isso!

Ler não só aquilo que parece “útil” à primeira vista

Bem, ler um blog é um passo para gostar de ler. Mas ler literatura e poesia é dar voz a cantos de sua mente e sentimentos que você nem sabia que existia, coisas que só são verbalizadas pelos escritores. Você descobre formas de expressar, possibilidades de estar no mundo, vivências que nunca imaginou, mas, que de repente, já sentiu… mas não sabia como verbalizar. Literatura deixa tudo mais rico.

Sabemos que não são todas as famílias e escolas que incitam as crianças e jovens a ler. Portanto, vamos dar aqui algumas dicas de como pegar gosto. Não tenha preconceitos quanto ao suporte. Papel, tablet, celular, edição de luxo ou popular, xerox ou original, o que importa é o texto.

1. Primeiro de tudo: aprenda a se concentrar. Sei que estamos na época de ser multitarefas, mas o grande prazer da leitura é se desconectar do que está em volta e entrar em um outro mundo. Portanto, busque se desligar do que está em volta. Comece por textos curtos: revistas, artigos, contos e poemas. Não tenha medo de escrever anotações, pensar em voz alta ou suspirar. Pode ser best seller também, é um jeito de aprender a se concentrar.

2. Não escolha a leitura de maneira funcional, isto é, só ler aquilo que você vai aplicar em sua vida profissional ou pessoal. Abra-se a ler para fora e seu universo, aí é que há riqueza na leitura. Se esse conhecimento será um dia útil são outros quinhentos. O prazer é algo do momento, ligado ao agora, não ao futuro. Quando estiver lendo, viva o momento que está em suas mãos.

3. Ler precisa virar hábito, daqueles que se a gente não faz, sente falta. Portanto, somente tornando-o cotidiano você vai compreender do que estamos falando… entende?

 

moda-literatura

 

4. Uma coisa que eu acho bastante problemática é quando alguém vira e fala que determinado autor é chato e isto viraliza… e pior, vira desculpas para não ler esse ou aquele autor. Independente do que os outros falem, não deixe de ler pelos outros e forme você a sua opinião.

Dica: às vezes não é que o autor é chato, é que quem leu não entendeu. Tem gente que não se sente desafiada, mas sim indignada. É estranho, mas é mais comum do que se imagina. O fato de um livro ter ideias complexas, difíceis, não faz dele um livro chato, e sim desafiador.

5. Ler um texto acadêmico é diferente de ler um texto de literatura (seja prosa ou poesia). O prazer obtido também é diferente. Para quem está entrando na faculdade, saiba: quanto antes você tomar gosto e compreender como é construído esse tipo de comunicação com o leitor, mas rapidamente terá prazer ao ler.

Dica de ouro: textos acadêmicos são escritos para pares (para pessoas que tem o mesmo nível do pesquisador/pensador), portanto, são leituras de desafio, você corre atrás do autor e não ele atrás de seus leitores… Ele definitivamente não está escrevendo um livro didático, ou para ensino fundamental, jamais se esqueça disso. Ele está doando uma parte do conhecimento que ele construiu em sua vida para o leitor. Então ler e compreender o contexto da escrita é o mínimo para poder compreendê-lo.

Ler é um ato contínuo para quem faz pesquisa, mas a leitura de literatura abre pensamentos e sentimentos que muitas vezes nem sabemos que existiam dentro de nós.

Por isso, é sempre importante termos momentos para sorver esse tipo de arte. Em prosa ou poesia, nos formatos mais tradicionais ou nos mais experimentais, seja antigo ou contemporâneo, um clássico ou um best seller, ler é sempre uma aventura que nos traz muitas novas sensações ou ressignifica antigas.

O vestuário como figurino dos personagens ajuda na sua construção. O vestuário como metáfora é poderoso. A interação social e também introspectiva do personagem se dá a partir deste universo descritivo de sua aparência, que Roland Barthes tão sagazmente chamava de ‘vestuário-palavra’.

Minha lista preciosa de literatura:

Segredinhos que ajudaram a minha formação para a pesquisa, as tendências, a moda e a vida:

1) Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Grey
2) Machado de Assis, Dom Casmurro
3) Virginia Woolf, Orlando: uma biografia
4) Gustave Flaubert, Madame Bovary
5) Joaquim Manuel de Macedo, A moreninha
6) Jack Kerouac, On the road
7) Charles Baudelaire, A passante (poema)
8) Charles Baudelaire, O pintor da vida moderna
9) Honoré de Balzac, Traité de la vie elegante
10) Honoré de Balzac, A mulher de trinta anos
11) Truman Capote, Bonequinha de luxo
12) F. Scott Fritzgerald, O grande Gatsby

E tem alguns posts bacanas e que sugerem outras leituras aqui e aqui.

Boa leitura!